Intersindical se reúne com ONS para acompanhamento do ACT

Situação dos empregados em home office e dos operadores em tempo real foram temas debatidos em reunião virtual no dia 10/06 entre entidades sindicais e diretoria do Operador Nacional do Sistema Elétrico

No último dia 10, Intersindical e representantes do Operador Nacional do Sistema Elétrico, ONS, se reuniram, em encontro virtual, para acompanhamento do Acordo Coletivo de Trabalho vigente. Entre os assuntos debatidos, a situação atual dos empregados, sejam os operadores em tempo real, que permanecem em trabalho presencial por se enquadrarem em atividade essencial e os demais empregados que se encontram em sistema de home office.

Em primeiro momento, a gerente executiva de recursos humanos do Operador, Rejane Fernandes, fez uma apresentação das medidas tomadas pela empresa na readequação das condições de trabalho durante o isolamento consequente da pandemia do COVID-19. “Fizemos tudo para blindar nossos empregados e garantir a segurança de todos”, declarou. Ações como disponibilidade de um canal de atendimento aos empregados com assistência médica emergencial, disponibilidade de EPIs e testes do coronavírus nos empregados, disponibilidade de vacina para H1N1 estão sendo realizadas pela empresa. Rejane, na ocasião, também apresentou como vem sendo implantada o sistema de home office na empresa e ressaltou a importância dos funcionários de Tecnologia de Informação neste momento para garantir a continuidade das atividades.

O trabalho em home office ganhou destaque na reunião. O coordenador da Intersindical, Ailton Andrade, falou da importância de olhar com cautela para o modelo de home office realizado nos dias atuais. “A condição do home office atual é uma medida emergencial, mas existe um interesse, tanto da empresa quanto dos empregados, do home office se tornar uma política mais perene. A Intersindical não é contrária, mas é preciso tomar medidas que todos se favoreçam, empresa e trabalhador”, explicou. A entidade sindical propôs a criação de uma comissão paritária para encaminhar essa discussão. O representante do Senge-RJ, Neyl Hamilton, levantou a preocupação da prática permanente do home office ter como consequência a redução de postos de trabalho na empresa. Esta, por sua vez, informou que não faz parte do planejamento do Operador reduzir quadros.

Outro assunto abordado foi a questão do turno de 12h dos operadores, implantado como medida para evitar a propagação do coronavírus na empresa. Neyl Hamilton destacou que a Intersindical defende a volta ao turno de 8h assim que a situação se regularizar e solicitou a empresa esse compromisso, o diretor de Relações Sindicais do ONS, Pablo Espíndola, disse que faz parte da compreensão da empresa que o trabalho de 12h é medida emergencial e que há a convicção da retomada ao turno anterior.

O calendário da negociação do Acordo Coletivo 2020/2022 foi uma das pautas da reunião. Ficou decidido que entre 15 e 20/07 a Intersindical fará o envio da pauta à empresa, resultado da pesquisa realizada com os trabalhadores (disponível no link: ), e na segunda quinzena de agosto, data a definir, acontecerá a primeira mesa de negociação do ACT.

Rejane Fernandes falou a respeito do comitê de crise criado no Operador para discutir questões relacionadas às mudanças oriundas da pandemia na empresa. Ela informou que está sendo construído um plano de retorno às atividades, com muita cautela, inclusive informou que reuniões continuarão suspensas por tempo indeterminado. O presidente do Senge-PE, Mozart Arnaud, sugeriu que neste plano esteja incluídas alternativas e medidas para garantir a continuidade da relação segura entre os sindicatos e os empregados, seja para visitas ou para assembleias.

Assuntos como redução de 3% no valor de vida do plano de saúde, garantia de pagamento das férias, conforme a CLT, dos empregados que tiveram suas férias suspensas ou adiadas, eleição do comitê gestor para o mês de julho também foram discutidos na reunião.

Representando a empresa, estavam presentes na reunião a gerente executiva de Recursos Humanos, Rejane Fernandes, o diretor de relações sindicais, Pablo Espíndola, além e Renee Tavares, Daniel Miranda, Sumara Ticom e Fabio Cortes. Representando a Intersindical, estavam Ailton Andrade, Mozart Arnaud, Maurício Peron e Neyl Hamilton.