Apagão provocado por empresa privada chinesa atinge todo Brasil

Escrito por: Rosely Rocha, especial para Portal CUT

A falha começou em uma linha de transmissão operada pela empresa privada chinesa State Grid, que opera Belo Monte/Furnas, após a realização de testes em horário comercial

Um apagão, que teve início às 15h48, foi sentido em todo o Brasil, nesta quarta-feira (21). As regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste tiveram o restabelecimento da energia em 27 minutos. Já os estados mais atingidos foram Amazonas, Alagoas, Sergipe, Ceará, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Amapá, Rio Grande do Norte, Pará, Maranhão, Bahia e Tocantins. Todos nas regiões Norte e Nordeste do país.

Segundo o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, o apagão ocorreu após uma falha na usina de Belo Monte, no Pará.

De acordo com os trabalhadores do Sistema Eletrobras, a falha começou em uma linha de transmissão operada pela empresa privada chinesa State Grid, que opera Belo Monte/Furnas, após a realização de testes em pleno horário comercial.

Os trabalhadores, via grupos de whatsapp, explicam que para a Eletronorte ou qualquer outra operadora da Eletrobras fazer um “reaperto” em qualquer conexão de proteção é preciso trabalhar à noite, no feriado ou num domingo de madrugada. “Mas eles fizeram um teste como esse em circuitos com 4GW no horário comercial”, denunciam.

Para se ter uma ideia da dimensão do problema causado, o diretor do Sindicato dos Eletricitários de Campinas e Região (Sinergia), Wilson Marques de Almeida, explica que o sistema brasileiro é todo integrado pelo Sistema Interligado Nacional (SIN) e uma pane como essa afeta todo sistema. O único estado que não tem essa interligação é Roraima, que recebe energia da Venezuela.

É como se fosse uma carreira de dominó. Se derrubar uma pedra, derruba todas na sequência. Essa tentativa de ligamento de linha de Belo Monte deu rejeição de carga no país inteiro

– Wilson Marques de Almeida

O dirigente lembra ainda que Belo Monte e toda a sua linha de transmissão é de iniciativa privada. “No momento, não conseguimos precisar ainda se é reflexo do sucateamento por parte da iniciativa privada, se é erro de operação ou se houve operação indevida”, diz.

O apagão, lembra Wilson, ocorre justamente num momento em que se discute a privatização da Eletrobras pelo governo ilegítimo e golpista de Michel Temer (MDB-SP).

“Estranhei o relator do PL que discute a privatização do Eletrobras, José Carlos Aleluia (DEM-BA), que é engenheiro e foi presidente da Chesf, ser um dos primeiros a se manifestar pela imprensa sobre o apagão”, diz Wilson.

A atuação do relator no processo de privatização da Eletrobras tem provocado polêmica. Na comissão especial que aprecia o Projeto de Lei (PL) 4963/18, Aleluia atropela o regimento interno da Casa para tentar correr com a tramitação. Ele lê só os títulos de cada capítulo do seu plano de trabalho. Como se não bastasse citar apenas eixos nos quais pretende esclarecer suas ações, Aleluia deixou de incluir a possibilidade de audiências públicas, seminários ou visitas externas às hidrelétricas. Ainda deixou de fora sugestões de entidades e especialistas do setor.

Internautas relataram via redes sociais as conseqüências da falta de energia, como caos no trânsito, com semáforos apagados e paralisação do metrô nas cidades nordestinas que operam o sistema, entre outros problemas.

O que dizem as empresas de energia

A Light, que opera o sistema no Rio de Janeiro, informou que, a pedido da Central Elétrica de Furnas, “desligou o fornecimento de energia para 321 mil clientes nas regiões de Jacarepaguá, Campo Grande, Penha, Inhaúma, Paracambi e Seropédica, às 15h51″.

GRÁFICO DO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO REGISTRA PANE NO

SISTEMA APAGAO

SISTEMA

Em nota, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), disse que “uma perturbação no sistema causou o desligamento de cerca de 18.000MW, em sua maioria, localizados nas regiões Norte e Nordeste, correspondendo a 22,5% da carga total do Sistema Interligado Nacional (SIN), naquele momento”.

A nota diz ainda que os sistemas Sul, Sudeste e Centro-Oeste ficaram desconectados do Norte e Nordeste, e que às 16h15 já havia sido realizada a recomposição de praticamente toda a carga no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Fonte: CUT