Aniversário da Chesf é marcado por protestos contra a privatização

Empregados e empregadas da Chesf prestam homenagem à Companhia reforçando a luta em defesa do patrimônio público

De um lado, o hino era entoado pela diretoria da Chesf. Do outro, os empregados e as empregadas da Companhia protestavam, com um grande apitaço, contra o entreguismo do atual governo que não tem economizado forças para privatizar a Eletrobras e, consequentemente, a Chesf. Esse foi o cenário da comemoração dos 70 anos da estatal que trouxe desenvolvimento para toda a região Nordeste.

“Hoje é dia de comemorar e parabenizar todos os empregados, pela resistência na luta. Sem vocês, a Chesf já teria sido vendida”, discursou o presidente da Central Única dos Trabalhadores Carlos Veras.

Entre discursos que reforçavam a importância da defesa do patrimônio público, foi cantado “parabéns pra você” para a Companhia, finalizado com o chamado para luta. “Permanecer na luta é a melhor forma de homenagear a Chesf”, discursou o presidente do Senge-PE Fernando Freitas.

Entre os discursos, uma homenagem unanime aos trabalhadores e às trabalhadoras que não cansam na defesa da estatal. “Nossa capacidade de luta, chesfianos, representa resistência. Não só para não privatizar a Eletrobras, mas em busca de um novo caminho para o Nordeste e o Brasil. Quem luta, independente do resultado, sempre sai vitorioso. Porque vencer é a capacidade de resistir”, declarou o advogado Antônio Campos.

Estavam presentes no ato dos trabalhadores o Senge-PE, o Sindurb, a CUT, a Frune, entre outras entidades sindicais, além de parlamentares.