Deputada Luciana Santos se reúne com engenheiros para barrar a privatização da Chesf

Engenheiros e ex dirigentes da Chesf apresentaram à Luciana a gravidade da privatização

No dia 21 de agosto, diretoria do Senge-PE, engenheiros e ex dirigentes da Chesf se reuniram no auditório do Sindicato, para conversar com a deputada federal Luciana Santos a respeito da situação da Chesf diante da possibilidade da privatização da Companhia.

O objetivo do encontro foi unir forças com a parlamentar para fortalecer a luta em defesa do setor elétrico. Para isso, os engenheiros, e chesfianos, José Carlos Miranda, José Ailton de Lima, João Paulo Aguiar, Roberto Gomes e José Antônio Feijó apresentaram para Luciana um pouco da realidade da Companhia, sua importância para o Nordeste e a gravidade da privatização.

“O filme foi interrompido e agora está voltando. Fizeram nas telecomunicações, sem estrutura, sem cumprimento de regras, e vão fazer agora novamente no setor elétrico. O atual governo tem uma linha entreguista de governar”, defende o engenheiro, e também ex-presidente da Chesf, José Ailton de Lima.

Para o secretário de Cultura de Pernambuco, o engenheiro Marcelino Granja, essa não é uma disputa apenas pela energia, “aqui não está se disputando energia, a disputa é para saber quem será o dono da água do rio São Francisco”, defendeu.

Os presentes defenderam a importância da luta em defesa do setor elétrico, e em defesa da Chesf enquanto empresa pública. “Não vamos entregar sem luta. A Chesf tem uma peculiaridade diante do setor elétrico: a instrução e o controle do rio São Francisco”, afirmou o engenheiro Mozart Arnaud.

“É preciso entender que a questão da privatização do setor elétrico brasileiro não é uma coisa isolada, num governo que tem essa concepção: “estado mínimo para o povo e máximo para o mercado financeiro”. Com um ano de governo ilegítimo de Temer, o desmonte é avassalador. E é um governo cujo programa nunca conseguiria passar pelo crivo das urnas. Por isso o golpe, por isso a pressa e, por isso, precisamos agir numa contraofensiva, tomando as ruas e fazendo pressão contra as reformas e contra as privatizações”, concluiu a deputada Luciana Santos, assumindo o compromisso de levar a pauta para Brasília e permanecer na luta contra a entrega da Chesf nas mãos do capital financeiro.