Trabalhadores do ONS rejeitam alterações no Banco de Horas

Durante Assembleia realizada hoje (06), no auditório do CNOS/Recife, os trabalhadores do ONS rejeitaram, por 23 votos contra 7, a proposta apresentada pela empresa para o ACT a respeito do Banco de Horas.

ONS Fernando 06.04

A categoria pretende retomar as negociações, sem a pressa exigida pela empresa, uma vez que o ACT permanente tem vigência até o dia 31 de agosto de 2018. “Temos tempo para buscar uma proposta que atenda melhor os empregados. Esperamos que a empresa tenha sensibilidade de não descumprir o ACT vigente e prossiga com as negociações”, afirmou o presidente do Senge-PE Fernando Freitas.

A principal insatisfação dos trabalhadores é a retirada da flexibilidade na administração da jornada de trabalho, deixando-os completamente refém dos gestores. Outros pontos criticados pelos empregados são: a proposta não considera o tempo total de deslocamento durante viagens a serviço; a recusa da empresa de atender a proposta dos trabalhadores de garantir  até 15 minutos de atraso ou antecedência sem a necessidade da justificativa; o não pagamento das jornadas superiores a dez horas.

Os trabalhadores do ONS/Recife seguiram decisão já tomada pelo Rio de Janeiro e Brasília. A Intersindical, por sua vez, informa que qualquer descumprimento das atuais práticas resultará em denúncia no Ministério Público do Trabalho e na Justiça do Trabalho.