Nesta quinta-feira, Fisenge recebe Prêmio Anamatra de Direitos Humanos 2016

O projeto “Engenheira Eugênia”, da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge), foi a primeira colocada na categoria Cidadã,  da sétima edição do Prêmio Anamatra de Direitos Humanos, da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, em decisão do júri divulgada nesta quarta-feira, 9 de novembro. De acordo com o regulamento da premiação, o vencedor de cada categoria receberá uma estatueta inspirada estatueta inspirada no “Cilindro de Ciro” e um prêmio de R$ 10 mil. A cerimônia de premiação será em 24 de novembro, no Museu de Arte (MAR)  do Rio de Janeiro. As histórias da Engenheira Eugênia podem ser conferidas aqui e a animação pode ser assistida aqui. A diretora da mulher da Fisenge, a engenheira química Simone Baía destacou a importância da comunicação sindical para o empoderamento das mulheres. Confira um trecho abaixo:

Receber esse prêmio demonstra a importância da disputa de narrativas em todos os espaços, nas ruas, nos locais de trabalho e também na comunicação. A Fisenge investe na comunicação sindical como um dos pilares estratégicos de sua organização. Nós, mulheres, nos apropriamos das novas formas de comunicação para pautar questões de gênero e de toda a sociedade. E, principalmente, promover empoderamento, pertencimento e visibilidade dos direitos das mulheres. Construímos, ao lado de uma equipe de trabalhadores de comunicação da Fisenge, uma narrativa inclusiva que se propõe a fortalecer o diálogo e o avanço da luta de todas as trabalhadoras e todos os trabalhadores. Ao contrário da mídia privada, a nossa comunicação sindical tem o cuidado de promover o protagonismo das mulheres, garantindo representatividade em falas, imagens, vídeos, fotografias, quadrinhos e campanhas. Esse não é um prêmio apenas da Fisenge. É um prêmio dedicado a todas as mulheres desse país. Brasileiras que lutam todos os dias em seus lares, nas universidades, nas escolas, no mercado de trabalho e nas ruas. Brasileiras que enfrentam combates sistemáticos e diários. Combates que exigem sacrifícios nas famílias, vida pessoal, acadêmica e profissional. Sacrifícios que são frutos da generosidade do sonho de mulheres pelo fim das violências físicas e simbólicas, pelo fim do machismo e pela aspiração de uma sociedade fraterna, solidária e igualitária. A nossa luta é todo dia. Muito obrigada a todas as mulheres, ao Coletivo de Mulheres da Fisenge, a todos os trabalhadores e trabalhadoras da Federação, à Diretoria da Fisenge e a todas as pessoas que acreditaram e acreditam no nosso projeto. Muito obrigada!”, afirmou Simone Baía

Leia a íntegra do texto de Simone Baía AQUI

Fonte: FISENGE